cro

quinta-feira, 5 de março de 2015

[Filme] Kingsman: The Secret Service, de Matthew Vaughn


Título Original: Kingsman: The Secret Service
Título em Português: Kingsman: Serviços Secretos
Realização: Matthew Vaughn
Argumento: Jane Goldman & Matthew Vaughn (screenplay) e Mark Millar & Dave Gibbons (comic book)
Elenco Principal: Colin Firth, Taron Egerton e Samuel L. Jackson
Ano: 2015 | Duração: 129 mins

Sinopse:
Baseado no aclamado comic book «The secret Service», o filme conta a história dos Kingsman – uma organização super secreta de espiões – que recruta um vulgar, mas promissor, rapaz para um programa de treino ultra competitivo da sua agência, assim como uma ameaça global que surge de um desvirtuado génio das tecnologias.

Opinião da Carla:
Do mesmo realizador de Kick-Ass e X-Men: First Class chega-nos agora Kingsman: The Secret Service. E o que há para não gostar deste filme? Quem viu os filmes que referi anteriormente já sabe o que está à espera de encontrar em Kingsman. James Bond meets Kick-Ass (e não fosse o facto de os comic books Kick-Ass e The Secret Service serem da autoria do mesmo homem, Mark Millar)

Acompanhamos Eggsy (que só por ter este nome já merecia ter um filme sobre si!) desde que perdera o pai até ser recrutado por Galahad (ou Harry Hart) para a agência de inteligência secreta mais secreta de sempre, sem qualquer filiação a qualquer governo, completamente independente. O filme está repleto de violência, acção e sangue (coisa que quem viu Kick-Ass não é novidade nenhuma) e estas cenas, em termos visuais, são bastante apelativas e bem construídas, algo que Vaughn já nos tinha mostrado em Kick-Ass. Mas o filme vive disso mesmo, da acção e da violência porque não tem grande conteúdo que se possa reter. Foi giro, engraçado, entreteve e tem uma banda sonora muito boa, se bem que grande parte do tempo, se fechasse os olhos, imaginava-me a ver os Avengers.

O que me leva a falar de Samuel L. Jackson. Este senhor no papel de vilão é o máximo. O seu fashion sense é do melhor que há e o quão terá custado fazer o filme todo a falar à sopinha-de-massas? Mas “I always felt that the old Bond films were as good as the villain.”, citando Harry, ou melhor dizendo, Galahad, o que se aplica perfeitamente a este filme.

Colin Firth foi monumental, Samuel L. Jackson não precisa de apresentações, e não sei de onde apareceu Taron Egerton, mas esteve fenomenal porque conseguiu dar aquele toque de chav e de gentleman dentro da mesma personagem.

Apesar de alguns baixos, acho que este filme teve mais altos. Na altura não sabia que era uma adaptação de comics, mas o meu lado mais gore-lover comics-lover sentiu-se como se tivesse chegado ao paraíso sem se dar conta. Diverti-me imenso, a adrenalina esteve em alta nas cenas de acção, o sotaque foi música para os meus ouvidos, e os meus olhos maravilharam-se com a imagem. Os planos eram interessantes, a forma como o filme foi montado foi muito bem feita e, bem, que melhor cena se não as cabeças a explodir ao ritmo de “Pomp and Circumstance March no.1”?


Opinião da Joana:
Começo desde já por dizer que Kingsman tem uma banda sonora fantástica, que acompanha todas as acções dos actores em perfeita sintonia.

Kingsman é um filme de acção e humor, com um toque de James Bond à antiga e movimentos tão rápidos e bem-feitos que param no tempo. Com um elenco de luxo, este filme conta-nos a história de Eggsy (Taron Egerton), cujo pai morreu em serviço pela agência de serviços secretos Kingsman. Harry Hat (Colin Firth). Eggsy não faz as melhores escolhas na vida (esta também não lhe proporcionou as melhores oportunidades) e acaba na prisão sendo salvo por Harry.

O vilão neste filme é Richmond Valentine (Samuel L. Jackson), que nos mantém a todos um pouco naquela linha do riso com o pânico de poder haver mesmo alguém com as ideias extremistas que ele tem. Não é o típico vilão dos filmes de espiões mas antes um homem que pensa estar a fazer o melhor pelo planeta, como bem lhe dá na cabeça, escolhendo quem quer que viva e pronto.

Com tiradas inteligentes e jogos de mente, Eggsy transforma-se num verdadeiro Kingsman, protegendo a sua família e o mundo.

Gostei da forma como o filme foi filmado, com bons planos e uma grande atenção aos pormenores. Não me importava nada de ter este filme cá por casa, seria sempre bom para me divertir e voltar a sentir um pouco do charme daqueles espiões à antiga aos quais foi adicionado uma pitada de humor que por vezes não encontramos nos filmes de acção pura e dura.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Todxs são bem-vindxs a contribuir para este blog, mas apenas pedimos que o façam de forma respeitosa e coordenada.